BÁRBARA VIRGÍNIA - A primeira realizadora de uma Longa-Metragem, em Portugal
BÁRBARA VIRGÍNIA - A primeira realizadora de uma Longa-Metragem, em Portugal
PDF

Palavras-chave

Bárbara Virgínia
Realizadora
Longa-Metragem
Portugal

Categorias

Resumo

Em 1946, num país de costumes abrandados por uma ditadura fortemente repressiva, que se prolongava há mais de uma década, uma atriz decide tornar-se realizadora. O seu primeiro filme estreia a 30 de agosto desse ano no Cine Ginásio, em Lisboa. Três dias sem Deus, de Bárbara Virgínia — de seu verdadeiro nome Maria de Lurdes Dias Costa — é uma adaptação da obra original de Gentil Marques, Mundo perdido, que chega a ser apresentada no I Festival de Cannes, a 5 de outubro do mesmo ano. Falar de Bárbara Virgínia é assim falar da História do Cinema Português e da ousadia de ser a única mulher a realizar um filme durante o período do Estado Novo.

PDF
Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2022 International Journal of Cinema